Contra Santana - Encerrado a 10.03.2005

segunda-feira, janeiro 31, 2005

Nojo!

É verdade que a campanha eleitoral anda num nível que, simpaticamente, poderíamos reputar, no mínimo, por "abaixo de cão" (apresento, desde já, as minhas desculpas aos canídeos por tê-los chamado à colação, mas a expressão é mesmo assim...). Depois dos mimos com que Louçã brindou Portas e das insinuações - mais ou menos - recíprocas entre os dois maiores partidos sobre as orientações sexuais dos candidatos, pensei que não se poderia descer mais baixo. Sucede que, acrescidamente, a comunicação social tem dado relevo a este tipo de comentários soezes quando poderia - e deveria - tentar "arrefecer" um pouco a campanha ao não dar eco a tão vis afirmações. Poderiam - e deveriam - os media, talvez, dar maior ênfase às propostas de programas de Governo e outras questões tão candentes como aquela para o futuro (bem negro, temo!) de Portugal. Vem, isto, a propósito do artigo de opinião de Ana Sá Lopes ontem no Público:

«O fim político de Santana Lopes - que diariamente agoniza aos nossos olhos - está a ser uma tragédia: o homem está a morrer no circo, ao estilo de sacrifício romano. Já nada lhe resta, os sucessores sucedem-se diariamente no PSD, perdeu o parceiro de coligação que descola a todo o vapor do mais patético primeiro-ministro que Portugal conheceu nos anos de democracia e, provavelmente, enlouqueceu.
A pantomina da democracia portuguesa iniciada em Julho passado assume agora foros de irrealidade: o homem já não tem nada para vender. Resta-lhe o currículo conhecido do eleitorado através das "revistas do coração", onde se passeava semana sim semana não - foi casado várias vezes, namorou algumas raparigas. Ontem lançou o mais estranho mote da campanha eleitoral: votem em mim porque eu gosto de raparigas. Chegámos ao patamar que nunca pensámos atingir na política. Só um miserável - e quem é Santana Lopes, neste momento do campeonato, senão um pobre despojado de qualquer bem válido para a polis? - pode utilizar em comícios, como aquele em que ontem participou, com 1000 mulheres, em Braga, o facto de ser aquilo a que se chama, em alguma gíria, "um femeeiro". Já tínhamos visto o absurdo de políticos desesperados a utilizar a estabilidade familiar como argumento de campanha - que foi o que João Soares fez contra o próprio Santana Lopes na campanha de Lisboa. Agora, vem o primeiro-ministro de Portugal rodear-se de mulheres que dizem que ele é "conhecido pela sua natureza sedutora" e "ainda é do tempo em que os homens escolhiam as mulheres para suas companheiras".
O fervor homofóbico é espantoso e quase irreal. Num comício de Lopes grita-se: "Bem hajam os homens que amam as mulheres!". E o primeiro-ministro candidato a novo mandato diz que "o outro candidato tem outros colos" e que "estes colos sabem bem".
Já nada Lopes tem para oferecer: com a credibilidade política de rastos, atira-nos um cartaz para a frente que diz "Este homem sabe o que é". Saberá? Nós sabemos. É o que Jorge Sampaio, com o apoio generalizado do país, mandou para a rua por falta de credibilidade e incompetência manifesta. Afinal, é mais o quê? Um "femeeiro". É este o currículo que Santana Lopes agora transformou em arma eleitoral: namorou com várias mulheres. Mais de 30? Menos de 100? Só um louco descontrolado traz esta matéria para a campanha, mas de Santana Lopes tudo se pode esperar - eventualmente até um "strip-tease" no comício de encerramento.
Nada mais resta a Santana Lopes. Tem o corpo, e só o corpo, à venda no dia 20 de Fevereiro. Mas o mais provável é que, ao fim da noite, o corpo já seja um cadáver».

Era mesmo necessário?...

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home


 
FREE hit counter and Internet traffic statistics from freestats.com